sexta-feira, 19 de março de 2010

Roseli Rodrigues (1955-2010)

Eu não penso em uma foto para este post. Não é a imagem aqui a protagonista. Mais importante é a história, o sentimento, a memória.

O telefone tocou muito cedo e eu sabia qual era a notícia. Mesmo assim, ainda não acredito. Mesmo depois de ver, ainda não acredito. Tudo ainda está confuso dentro de mim.

Todos já sabem que Roseli Rodrigues agora dança em outro lugar. Todos os sites de dança já deram, os jornais, revistas, boletins...

Muita gente me escreveu, me ligou e me perguntou: Você não vai escrever nada? Fato é que eu não queria dar essa notícia. Não precisava ser a primeira. Longe disso. Eu não pensava em simplesmente nada. As horas demoraram dias para passar.

Fato é que eu escrevi, mas eu não precisava colocar aqui naquele momento. O pequeno texto, mensagem, desabafo, ou qualquer outro nome que dêem a um grito de silêncio em forma de palavras estava público no site do Raça Centro de Artes. (o texto está abaixo).

Confesso que escrevi a pedidos da Kika Sampaio. E eu não teria outra resposta para dar para ela a não ser um "sim, escrevo". Um sim, engasgado, porque confesso que foi muito difícil. Como foi complicado sentir. Como foi complicado lembrar...

Roseli Rodrigues foi o meu ídolo. O ideal de jazz. Quando ela falava o nome da gente nas aulas era um prêmio. Dava vontade de fazer tudo errado, para ela dizer "Marcela" toda hora. Confesso que eu fiz isso algumas vezes.

As horas ao lado dela passavam rápido. Eram risadas, olhares, aprendizado. As aulas eram simplesmente lindas do começo ao fim. A admiração era uma espécie de transe coletivo.

Ela foi um dos diversos motivos pelos quais eu fui estudar história do jazz . Depois de uma palestra em Joinville, eu não me lembro o ano, que falava sobre os caminhos do jazz que eu resolvi ir atrás dessa história que era tão minha, mas eu não sabia de onde vinha.

Era por causa dela que eu ia todos os anos para Joinville fazer aula.... Janeiro era o mês da dança em São Paulo porque a Roseli ia dar cursos de férias. Quem não queria vestir a camiseta do Raça, ou ter um CD da aula? Quem não voltava do curso e colocava o CD para tocar... e fazia o plié? TODO MUNDO! Quem não se orgulhava das fotos? Das lembranças?

Ainda sinto ela pegando no meu rosto em outubro de 2009 e me dizendo que eu estava trabalhando no lugar certo e que ela estava feliz por mim. Que eu merecia. Parece que ainda posso sentir os dedos... ouvir o tom da voz... a respiração. Ainda consigo sentir o cheiro.

É essa imagem que fica e todas as outras vividas... São história de um corpo em movimento que agora entra em pausa, para que "Novos Ventos" dancem por ai. Tudo foi lindo e maravilhoso de viver.

É só isso que eu consigo dizer:


... As palavras parecem não sair pelos dedos. De verdade, parece um sonho. Talvez seja.
A dona dos olhos azuis mais transparentes da dança, agora faz arte em outro lugar.
O sentimento que ela foi capaz de provocar em cada um dos indivíduos que passaram pelas salas de aula do Raça, pelos cursos Brasil a fora: só quem viveu....
A sua voz. O seu olhar. A forma de dançar. O pequeno gesto. A barra coreografada. A bronca. O sorriso. Os cabelos vermelhos.
Tudo agora está marcado. Grudado na carne, na memória, na lembrança, na história da dança brasileira que perde uma de suas referências.
Seja na “Noite Adentro” ou nos “Caminhos da Seda” que cada um escolheu trilhar.
Parte do jazz se vai. O swing diminuiu, porém, por ela, para ela: a força, a garra, a raça terão que continuar.
Roseli será sempre lembrada. Sempre amada e, sobretudo, aplaudida.
5,6,7,8. A dança agradece o seu amor, o seu trabalho, o seu olhar transparente de alma para a arte.
Obrigada!

domingo, 14 de março de 2010

CRITICA | Meu Amigo Charlie Brown!: para todos!


Marcela Benvegnu

Quem com os seus quase 30 anos ou mais, não se lembra dos Peanuts? Do Snoopy que dormia na casinha vermelha, de Charlie Brown com seu sanduíche de pasta de amendoim? Ou do Schroeder tocando piano e Lucy cantando para ele? Sim, a memória voltou. E com ela todos os sabores da infância. Estreou ontem, no Teatro Frei Caneca, em São Paulo, o musical "Meu Amigo Charlie Brown", uma produção de Ricco Antony, que vale o ingresso.

A cenografia de Chris e Nilton Aizner é um convite aos olhos. As tiras cômicas de Charles Schulz são trazidas a cena mesmo antes da cortina se abrir. Desenhos vazados dos personagens ativam a memória sensorial de quem já conhece a turma, e aquece o olhar dos pequenos que ainda tem o mundo a desvedar.

Quando o musical começa, uma agradável surpresa: Mariana Elisabetsky. A jovem que tem um currículo de vários espetáculos e a apresentação de um programa infantil na TV, segura a cena como ninguém. No timbre de voz e na interpretação. Em alguns momentos o corpo fala mais que o texto, que incluvise é versado por ela. A versão original é de Clark Gesner.

Só que o sucesso do musical vem do time. Leandro Luna faz um excelente Charlie Brown, sua voz e o posicionamento do seu corpo (ele passa a maior parte do tempo cordunda) foram muito bem trabalhados; Fred Silveira faz um Snoopy seguro. A interpretação de Paula Capovilla para Lucy é ótima. É ela quem arranca mais gargalhadas do público com a sua voz desafinada. O Schoeder de Felipe Caczan é idêntico ao desenho e quando ele está ao piano nota-se que sabe ouvir o que a orquestra dirigida pelo maestro Marconi Araújo toca. E Thiago Machado como Lino, nos faz entrar pela televisão e lembrar do personagem que tinha como melhor amigo o seu paninho.

O texto é bem articulado e montado. A iluminação de Paulo Cesar Medeiros é um show a parte. Só assistindo para se ter noção da passagem do tempo e do que ele faz somente com um ciclorama.

Os figurinos são bem executados e coloridos, só a calça jeans do Snoopy que poderia ser revista. Valia uma pitada a mais de dança, um "q" de sapateado, entretanto, o trabalho de corpo de Alonso Barros é muito bem feito na interpretação dos atores. O corpo se expressa, fala.

Na balança, "Meu Amigo Charlie Brown" é uma excelente montagem que faz com que os pequenos se acostumem a frequentar o teatro, e faz com que os grandes pequenos amantes da arte, revivam excelentes lembranças. Para ser muito clichê: Vale a pena ver (e ouvir) de novo.

SAIBA MAIS - "You’re a Good Man, Charlie Brown" estreou Off-Broadway em 1967, com cerca de 1600 apresentações. Uma segunda versão seria montada em 1971. A versão definitiva é a de 1999, da qual "Meu Amigo Charlie Brown" foi adaptada, e recebeu dois prêmios Tony (melhor ator e melhor atriz em musical) e três prêmios Drama Desk (melhor remontagem de musical, melhor ator e melhor atriz). Essa montagem teve duas adaptações para a TV americana: um especial com atores na rede NBC e um especial de animação na CBS.

PARA VER: "Meu Amigo Charlie Brown", com direção geral de Ricco Antony. No Teatro Frei Caneca (rua Frei Caneca, 569 - Shopping Frei Caneca, sexto andar). Sábados e domingos, às 16h. O ingresso custa R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada) e apresentando na bilheteria uma lata de leite em pó paga-se meia entrada. A temporada do espetáculo vai até o dia 27 de junho.

sábado, 6 de março de 2010

Congresso de Jazz Dance - Dance essa idéia!


CONGRESSO DE JAZZ DANCE:
DANCE ESSA IDÉIA!


Se no ano passado as inscrições do Congresso Internacional de Jazz Dance no Brasil se esgotaram, em 2010 não será diferente. Porém, ainda dá tempo de dançar essa idéia.
Organizado por Erika Novachi e Marcela Benvegnu, que em agosto de 2009 ministraram aula de lyrical jazz e história do jazz, respectivamente, na Broadway Dance Center, em Nova York, a segunda edição do evento acontecerá em Indaiatuba, interior de São Paulo, entre os dias 21 e 24 de abril.
Para o evento a dupla contratou dez professores de peso, com destaque para três estrelas do estilo: os americanos Sheila Baker e Josh Bergasse, e a brasileira radicada na Alemanha, Rose Calheiros. "A Rose é a madrinha do Congresso, ela não pode estar de fora em nenhuma edição. A aula dela vai além do gesto, mostra um dançar da alma que é muito particular", fala Erika. "A aula da Sheila vai agradar muito aos brasileiros pela tendência, pela forma que ela usa o corpo na movimentação, e a aula do Josh é a técnica aliada ao musical de uma forma muito didática", completa Marcela.
No Congresso os alunos ainda terão aulas com Cinthia Vilas Boas, Alexandre Ribeiro, Jhean Allex, Cristina Cará, Ana Araújo, Christiane Matallo e Gilberto de Syllos. Pela primeira vez será realizada uma apresentação de trabalhos científicos. "Serão apresentados quatro trabalhos acadêmicos que tem como foco o jazz dance e seus desdobramentos", fala Erika. "Desde o início do nosso projeto optamos por unir teoria e prática. No ano passado foi a palestra de história do jazz, e esse ano é a vez dos congressistas falarem um pouco sobre as suas pesquisas com a apresentação das monografias e dissertações. É a troca, o diálogo com a dança", diz Marcela.
Além das aulas práticas e apresentação dos trabalhos acadêmicos, o evento prevê uma mostra de coreografias comentada e uma mesa-redonda. As atividades extras tem entrada gratuita. Ainda restam vagas para os cursos. Os interessados podem acessar o blog do evento em www.congressodejazzdance.blogspot.com

A Arte de Sapatear

De acordo com a crítica Jennifer Dunning do jornal The New York Times (julho de 2006), Christiane Matallo é a Carmen Miranda do sapateado. Depois de lançar seu DVD em 27 países, a bailarina, sapateadora e coreógrafa CHRISTIANE MATALLO lança no Brasil, HOJE na Livraria da Vila, às 19h30, o DVD “A ARTE DE SAPATEAR”, primeiro DVD do gênero no mercado brasileiro.
O evento de lançamento contará com a apresentação do espetáculo “da Corda pro Pé”, um duo entre Christiane Matallo e o contrabaixista Gilberto de Syllos. A dupla criou uma dinâmica perfeita entre o sapateado e o contrabaixo, ou, entre a dança e a música, elementos que, segundo Matallo, são partes integrantes e naturais da dança.
“da Corda pro Pé”, que já realizou temporada em Nova York, é uma extensão do trabalho desenvolvido por Matallo, em que ela toca saxofone e sapateia ao mesmo tempo. A bailarina realizará um bate papo com o público após o espetáculo para falar sobre processos e relações do sapateado no Brasil e sua popularização no país.
Dividido em dois discos, “Iniciantes” e “Intermediário e Avançado”, o DVD contém exercícios de aquecimento, aulas didáticas com rotinas e coreografia, videoclipes, jogos interativos e um pouco da história do sapateado. A direção musical em ambos DVD´s foi assinada por Gilberto de Syllos.
Sobre Christiane Matallo
A bailarina, coreógrafa, musicista e cantora Christiane Matallo iniciou seus estudos em dança com apenas dois anos e meio de idade. A única artista que sapateia e toca sax tenor simultaneamente. É a diretora artística e organizadora do Brasil International Tap Festival, que em 2010 chega a sua décima primeira edição. Com o objetivo de popularizar a arte do sapateado já passaram pelo evento os melhores profissionais do mundo como: Robert Reed, Van “The Man” Porter, Dormeshia Sumbry Edwards, Corrine Karon, Jason Smith, entre outros. A bailarina também organiza o Sapateia São Paulo, que comemora o Dia Internacional do Sapateado (25 de maio) na cidade de São Paulo. Desde 2007 leva para o Sambódromo a ala de sambateado pela Agremiação e Escola de Samba Mocidade Alegre sendo campeã do carnaval de São Paulo em 2009 e vice-campeã em 2010.


Local: Livraria da Vila – Alameda Lorena 1731 – Jardins – São Paulo
Tel: (11) 3062-1063
Dia 6 de março de 2010, a partir das 19h30
Entrada gratuita

Em Março no Teatro de Dança

Sociedade Masculina: No Td em março

Em março de 2010, o TD - TEATRO DE DANÇA (instituição vinculada à Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo, gerenciada pela Associação Paulista de Amigos da Arte - APAA) privilegia em sua programação o intercâmbio de companhias e espetáculos. Para tanto, inaugura um novo projeto: o Corredor da Dança.
O Corredor da Dança é uma rede de curadores, surgida a partir dos debates do evento Plataforma Estado da Dança, realizado em agosto de 2009 no TD, e que reúne e faz circular em diversas cidades do país espetáculos dos festivais de Dança de Londrina/PR, Diagnóstico da Dança e Festival de Artes Cênicas de Goiânia/GO, Festival Internacional de Dança de Recife/PE, Fórum de Dança de São José do Rio Preto/SP, entre outros. A intenção é promover e incentivar a interação de várias produções dos diversos Estados do Brasil. Nessa primeira programação do Corredor em São Paulo, a dupla de Goiânia Rodrigo Cunha e Rodrigo Cruz estreia Dúplice (12 a 14 de março) e divide a noite com a coreógrafa paulistana Cláudia Palma e seu espetáculo Um Outro Corpo.
Antes, no início do mês de março, será apresentado no TD a coreografia Ao cair da tarde (4 a 7 de março), com direção de Monica Sucupira, que reúne artistas e jovens senhoras idosas e propõe um poético resgate da memória corporal em dança, resultando em um espetáculo multimídia sobre arte e vida.
De 19 a 21 de março, o TD apresenta um programa especial, Cisnes, em que o tema “cisnes”, é revisitado e apresentado em várias performances, dentre elas a do mestre Luis Arrieta, apontando-se para o imaginário de criaturas aladas do romântico e do balé do final do século XX.
De 25 a 28 de março, com o apoio do Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna/2009, o público de São Paulo terá a oportunidade de ver pela primeira vez na cidade a dança do Pará por meio da Companhia Experimental de Dança Waldete Brito, que comemorando 10 anos de existência, estreia duas coreografias: O Seguinte é Isso... e (Des)vestido. Waldete Brito é graduada em Educação Física, Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia, e doutoranda pela mesma instituição de ensino superior. É bailarina, coreógrafa, pesquisadora de dança contemporânea, professora da Escola de Teatro e Dança da UFPA e coordenadora geral dos cursos técnicos de teatro, dança e cenografia. Dias 25 e 26 de março a companhia dará um workshop gratuito no TD.

04 a 07 de março de 2010
Quinta e sexta às 21h, sábado às 20h, domingo às 18 h
60 minutos de duração, classificação 12 anos
Ao Cair da Tarde
Cia. Lambe-Lambe de Teatro e Afins / SP
Direção: Mônica Sucupira
12 a 14 de março
Sexta às 21h, sábado às 20h, domingo às 18 h
70 minutos de duração, classificação 12 anos
Corredor da Dança
Um Outro Corpo
De Claudia Palma / SP
+
Dúplice
De Rodrigo Cunha e Rodrigo Cruz / GO
19 a 21 de março
Sexta às 21h, sábado às 20h, domingo às 18 h
50 minutos de duração, classificação livre
Cisnes
Studio3 Cia. de Dança, Cia. Sociedade Masculina & Convidados / SP
Concepção: Anselmo Zolla
Direção Artística: Anselmo Zolla e Vera Lafer
Coreografias: Luis Arrieta e Anselmo Zolla
Convidado Especial: Luis Arrieta
25 a 28 de março
Quinta e sexta às 21h, sábado às 20h, domingo às 18 h, classificação 12 anos
Dias 25 e 26/02: 45 minutos de duração, dias 27 e 28/02: 50 minutos de duração
O Seguinte é Isso...
Cia. Experimental de Dança Waldete Brito / PA
+
(Des) vestido
Cia. Experimental de Dança Waldete Brito / PA
Direção artística: Waldete Brito
Intérpretes criadores: Alessandra Ewerton, Elyene Lima, Carol Castelo, Liluany Serrão, Nely Lopes, Valéria Spinelli, Edson Lima, Rafael Dorn
WORKSHOP DE DANÇA CONTEMPORÂNEA - Dias 26 e 27 de março (sexta e sábado)
Com a Cia. Experimental de Dança Waldete Brito/PA
Horário: das 15h às 17h – Entrada Franca
Público Alvo: todos os interessados em processos de experimentação e improvisação em dança.
Carga Horária Total: 4h (divididos em 2 dias de aula, cada uma com 2h)
Inscrições gratuitas mediante envio de mini currículo para teatrodedanca@apaa.org.br , até 12 de março.
Vagas limitadas para 25 pessoas.
TD - Teatro de Dança - Secretaria de Estado da Cultura
APAA - Associação Paulista dos Amigos da Arte
Avenida Ipiranga, 344 - Subsolo, Edifício Itália - São Paulo, SP, Brasil - Metrô República - Email: info.teatrodedanca@apaa.org.br Telefone da bilheteria: 2189 2555 /// Informações: 2189 2557 Capacidade: 278 lugares/Ar-condicionado ///Acessibilidade para pessoas com necessidades especiais /// Ingresso: R$ 4,00 e R$ 2,00 (meia) /// Estacionamento: R$ 15,00 com manobrista /// Bilheteria, abertura: Vendas para o dia do espetáculo - 4ª a domingo, a partir das 14h/// www.teatrodedanca.org.br

Confraria da Dança em temporada


3 PROPOSTAS PARA 2010
Temporada de Repertório CONFRARIA DA DANÇA
PRÊMIO FUNARTE DE DANÇA KLAUSS VIANNA 2009

MARÇO - SESC CAMPINAS | ABRIL - FUNARTE SÃO PAULO - SALA RENEÉ GUMIEL | MAIO/JUNHO - 104 BELO HORIZONTE

A CONFRARIA DA DANÇA dedica-se desde 1996 à criação e manutenção de espetáculos autorais, promovendo continuamente atividades diversificadas de formação e fruição artística. Traçando um crescimento radial em seu campo de ação junto à comunidade, atinge público infantil, adulto e terceira idade, estudantes de arte em processo de formação e artistas em busca de reciclagem e capacitação. Acumula premiações da FUNARTE/MINC, Secretaria da Cultura – Governo do Estado de São Paulo, CULTURA INGLESA, entre outros. Recentemente conquistou o Prêmio APCA 2009 com o solo ADVERSO/ criadora-intérprete Diane Ichimaru. Em 2010 desenvolve uma série de ações pelo PRÊMIO FUNARTE DE DANÇA KLAUSS VIANNA/2009, iniciando com a mostra de 3 espetáculos do repertório do grupo no SESC Campinas, seguindo por São Paulo e Belo Horizonte - 44 sessões de espetáculos e 2 workshops - uma maratona que fortalece e propaga nacionalmente a visibilidade à produção e trajetória do grupo.




SESC CAMPINAS - de 9 a 19 de MARÇO
Rua Dom José I, 270 / 333 - Bonfim - Campinas/SP - tel: 19 3737.1500
dias 9, 10, 11 e 12 de março
CARTA PARA NÃO MANDAR OU CANTIGA INTERROMPIDA


dias 16, 17, 18 e 19 de março
ADVERSO - Prêmio APCA 2009 - categoria criadora/intérprete
solos de dança de Diane Ichimaru - trilhas musicais especialmente compostas para os espetáculos: Rafael dos Santos / iluminação: Marcelo Rodrigues
terça a sexta - 20h30
ingressos: R$ 4,00 / R$ 2,00 (estudante)/ R$ 1,00 (comerciário matriculado no SESC)

dias 10, 11, 12 e 13 de março
BRINQUEDOS E INVENTOS PARA DANÇAR -
dança para crianças - criadores/intérpretes: Diane Ichimaru e Marcelo Rodrigues
trilha Musical especialmente composta para o espetáculo: Rafael dos Santos
quarta a sexta - 14h30 / sábado 16h
GRATIS

FUNARTE – Sala Renné Gumiel - de 2 a 25 de ABRIL
Alameda Nothmann, 1058 – Campos Elíseos – São Paulo/SP – Tel: (11) 3662-5177

dias 2, 3, 4, 9, 10 e 11
ADVERSO - 20h30
dias 16, 17, 18, 23, 24 e 25
BRINQUEDOS E INVENTOS PARA DANÇAR - 16h
CARTA PARA NÃO MANDAR OU CANTIGA INTERROMPIDA - 20h30
dia 8 - das 10 às 17h
Workshop - PREPARAÇÃO do CORPO CÊNICO
coordenadores: Diane Ichimaru e Marcelo Rodrigues
Público alvo: estudantes e profissionais de dança e teatro
ENTRADA FRANCA em todas as atividades na Sala Reneé Gumiel



104 - de 18 a 23 de MAIO e de 8 a 13 de JUNHO
Praça Ruy Barbosa, 104 (Praça da Estação) - Centro - Belo Horizonte/MG - tel: (31) 3222.6457
dias 18, 20, 21, 22 e 23 de MAIO
ADVERSO - 20h30
ingressos: R$ 10,00 / R$ 5,00 (estudante)
dia 19 de MAIO - das 10 às 17h
Workshop - PREPARAÇÃO do CORPO CÊNICO
coordenadores: Diane Ichimaru e Marcelo Rodrigues
Público alvo: estudantes e profissionais de dança e teatro
GRáTIS
dia 22 de MAIO
Bate-papo sobre o processo de criação da Confraria da Dança - 15h
com Diane Ichimaru e Marcelo Rodrigues
dias 8, 10, 11, 12 e 13 de JUNHO
BRINQUEDOS E INVENTOS PARA DANÇAR - 16h
CARTA PARA NÃO MANDAR OU CANTIGA INTERROMPIDA - 20h30
ingressos: R$ 10,00 / R$ 5,00 (estudante)

informações:
Confraria da Dança -
confrariadadanca@terra.com.br - 19 3254.0685 / 9292.4917

Borelli volta com Morte: Manifestação e Reflexão

Cia. Borelli abre temporada em 2010 com
Morte: Manifestação e Reflexão
A Cia. Borelli de Dança inicia o ano de 2010 com as apresentações de “Senhor dos Anjos – O lamento das coisas”, espetáculo inspirado na obra de Augusto dos Anjos e “Artista da Fome” – inspirado na obra homônima de Franz Kafka. As duas coreografias compõem o projeto Morte: Manifestação e Reflexão juntamente com Gárgulas, Ponto final da Última Cena, Adeus Deus. e Versos Íntimos (estes três últimos criados originalmente para outras companhias e incorporados ao repertório da Cia. Borelli).
Contemplado pelo 7º Edital do Programa de Fomento a Dança, Morte: Manifestação e Reflexão foi assim intitulado devido ao tema Morte estar presente em todos os trabalhos que compõem o repertório da Cia. Borelli de Dança.
O coreógrafo, Sandro Borelli, revê assim sua trajetória, e programa as estreias dos outros quatro trabalhos para os meses de abril e julho. A temporada termina em agosto com o lançamento de um documentário sobre os treze anos de trajetória da companhia, com direção de Osmar Zampieri.
Serviço:
- Senhor dos Anjos – O lamento das Coisas de 24 a 28 de fevereiro
- Artista da Fome de 03 a 14 de março
Kasulo - Espaço de Cultura e Arte. R. Sousa Lima, 300 – Santa Cecília, próximo ao teatro São Pedro.
Telefone: (11) 3666 – 7238, quarta a sábado, às 21h e domingos às 19h.
Ingresso: o espectador define o valor no final do espetáculo.
Classificação a partir de 16 anos.
Rua: Souza Lima 300 B, Santa Cecília, São Paulo
PROX. AO METRÔ MARECHAL DEODORO E THEATRO SÃO PEDRO

Revista de Dança

Queridos amigos e seguidores do Tudo É Dança, Escrevo hoje para dividir com vocês todos, que dançam comigo aqui durante todos esses anos, ...