terça-feira, 20 de maio de 2008

Plástica das águas

Crédito: Francesco Sironi


Marcela Benvegnu



Esperada pelo público e pela crítica, a companhia italiana Materiali Resistenti Dance Factory finalmente chega ao Brasil com “Waterwall”. O espetáculo de estréia aconteceu anteontem, no Rio de Janeiro, e chega a São Paulo, no Credicard Hall, a partir de 21 de maio. Em cena o grupo surpreende com uma hipnótica jornada visual, na qual dançarinos dividem o palco, durante todo o tempo, com um dos elementos da natureza: a água. São mais de 16 mil litros que caem sobre os corpos durante mais de uma hora.


Criado por Ivan Manzoni, fundador e coreógrafo da companhia, o espetáculo é uma combinação harmoniosa de dança contemporânea com esportes radicais. A cena é dominada por uma imponente estrutura metálica. É através dela que a água começa a aparecer lentamente, no começo, até tornar-se uma impetuosa cascata — a parede de água (waterwall) do título —, na qual os bailarinos executam a maior parte de seus movimentos. A água jorra com força e desafia os sentidos e a resistência dos bailarinos.


O trabalho também tem outros trunfos, além da infinita variação de movimentos e do uso da água como elemento cenográfico; um deles é a música eletrônica, de forte pulsação rítmica e vozes sussurrantes, composta especialmente para o show por Domenico Mezzatesta. Outro é uma iluminação de vanguarda, assinada por John Finen, concebida com a ajuda de uma tecnologia de ponta, que transforma o palco e a parede de água em um caleidoscópio.


Em “Waterwall” a água não é cenário ou coadjuvante dos intérpretes. Ela está presente em todo o espetáculo é o seu próprio fio condutor. São mais de 16 mil litros que jorram das armações metálicas. É sobre ela que os bailarinos criam as mais surpreendentes coreografias, com o auxílio de cordas, pisos plásticos e buracos no chão. Com destreza e graciosidade, eles brilham na moldura da estrutura metálica, cortando a parede de água ora com os corpos, ora com objetos que convidam à coreografia, como pás, remos, pranchas ou mesmo partes de bicicletas.


COMPANHIA — A Materiali Resistenti Dance Factory foi criada por Manzoni na cidade italiana de Torino. Seu primeiro espetáculo foi levado ao público em 1996 e logo aclamado pela crítica. “Materiali Resistenti”, que também daria o nome à companhia, apresentava para o público as regras do grupo: mostrar no palco a interação entre o homem e a máquina. Nesta primeira montagem, as cenas se situavam em hangares abandonados, fábricas, estações ferroviárias, criando um clima surrealista. Mas foi em 1999 que a companhia deu seu grande passo. Naquele ano chegava aos palcos “Waterwall”. Em 2006 foi a vez de “Lavori Aeri”, desta vez com os bailarinos nas alturas.


PARA VER — "Waterwall”. De 21 a 25, 28 e 30 de maio, no Credicard Hall (avenida Nações Unidas, 17.955), em São Paulo. Não é permitida a entrada de menores de 14 anos. Mais informações sobre valores de ingressos e horários: (11) 6846-6010.

Nenhum comentário:

Revista de Dança

Queridos amigos e seguidores do Tudo É Dança, Escrevo hoje para dividir com vocês todos, que dançam comigo aqui durante todos esses anos, ...