quarta-feira, 9 de maio de 2007

Os 100 anos do Frevo


Em 2007, o frevo completa 100 anos. Essa contagem é feita, oficialmente, a partir da primeira vez que a palavra frevo — surgida a partir do verbo ferver — apareceu num artigo do “Jornal Pequeno de Recife” (atualmente, “Diário da Manhã”), em 9 de fevereiro de 1907, para nomear um gênero musical. O frevo é uma dança inspirada em um misto de marcha e polca, em compasso binário ou quaternário, dependendo da composição, de ritmo sincopado. É uma das danças mais vivas e brejeiras do folclore brasileiro.Em meados do século 19, em Pernambuco, surgiram as primeiras bandas de músicas marciais, que executavam dobrados, marchas e polcas e também os primeiros clubes de Carnaval de Pernambuco, entre eles o Clube Carnavalesco Misto Vassourinhas (1889) e o C.C.M. Lenhadores (1897), formados por trabalhadores e suas respectivas bandas de música.Os capoeiristas necessitavam de um disfarce para acompanhar as bandas, agora dos clubes, já que eram perseguidos pela polícia. Assim, modificaram seus golpes e originaram tempos depois o passo (a dança do frevo). Eles também trocaram suas antigas armas pelos símbolos dos clubes que, no caso do Vassourinhas e Lenhadores, eram constituídos por pedaços de madeira, uma pequena vassoura ou um pequeno machado, usados como enfeites.A sombrinha teria sido utilizada como arma pelos capoeiristas, à semelhança dos símbolos dos clubes e de outros objetos como a bengala. De início era o guarda-chuva comum, geralmente velho e esfarrapado, hoje estilizado, pequeno para facilitar a dança e colorido para embelezar a coreografia. Atualmente a sombrinha é o ornamento que mais caracteriza o passista e é um dos principais símbolos do Carnaval pernambucano.

REPRESENTANTE - O maior representante do estilo no país é o músico instrumentista Antônio Nóbrega (1952). Violinista desde criança, no final dos anos 60 participava da Orquestra de Câmara da Paraíba e da Orquestra Sinfônica do Recife. Quando convidado por Ariano Suassuna passou a integrar, como instrumentista e compositor, o Quinteto Armorial — o mais importante grupo a criar uma música de câmara erudita brasileira de raízes populares. Nóbrega acaba de lançar um CD em homenagem aos 100 anos do frevo, “9 de Frevereiro”. No repertório, frevos-canção e frevos instrumentais de autores hoje quase esquecidos, como os Irmãos Valença, Capiba e Nelson Ferreira. Mais informações: http://www.antonionobrega.com.br/.

3 comentários:

fernanda disse...

frevo é uma dança muito atraente que atraem varis pessos essa nança é muito legallllllllllllll

eiiii vc!
ja dançou frevo? se não dançou dançe é uma dança otima ñ é tão facil mais tambem ñ é impossivel de aprender. e vale apena viu! dançe vc tambem

PGA* star ... Ney Oliveiraa disse...

Frevo é uma dança extremamente bela e muito prazerosa de se dançar, porém, exige muito esforço e dedicação,mas tudo acaba valendo a pena !!! adorei a sua abordagem nesta cultura brasileira que,as vezes, as pessoas não dão valor !
Visite nosso blog também ! bjos'

Anônimo disse...

Pois é... Eu queria saber tudo sobre o FREVO.Deve ser muito bonito mesmo.Eu estou fazendo um trabalho sobre o FREVO e MARACATU, mas eu não sei nada sobre nenhum dos dois.hauusasuhuusuha euri'MTO

Revista de Dança

Queridos amigos e seguidores do Tudo É Dança, Escrevo hoje para dividir com vocês todos, que dançam comigo aqui durante todos esses anos, ...